27
Jul 13
27
Jul 13

Queijadas há muitas !

 

 

Portugal é o país das queijadas. Há para todos os gostos e "cada terra com seu uso". O que surpreende é que são muito fáceis de fazer e, sobretudo, rendem muito. Inclusive o chef Avillez criou para o seu restaurante umas queijadas de bacalhau, o que indicia que, qualquer dia, haverá tantas queijadass salgadas com as já há doces com os ,mais variados ingredientes. O que criará um problema de semântica, porque continuam a chamar queijada a um produto que não tem queijo nenhum.

Mas , tradição "oblige", trago-vos hoje as mais famosas receitas de queijadas portugueses, centenares e verdadeiras.

 

 

 

 

 

 

QUEIJADAS DA MADEIRA

 

Ingredientes: 

Para a massa: 

- 250 g de farinha de trigo;

- 250 g de manteiga;

- 2 colheres de sopa rasas de açúcar;

 

Para o recheio: 

- 500 g de requeijão;

- 500 g de açúcar;

- 12 gemas de ovos;

- 2 claras

 

Confecção:

Peneira-se a farinha com o açúcar, junta-se a manteiga e amassa-se esta mistura de maneira a obter uma massa bem ligada. Se necessário juntam-se umas gotas de água, mas aconselhamos que não o faça. Deixa-se a massa descansar durante 4 ou 5 horas.

Entretanto, passa-se o requeijão por uma peneira fina; adiciona-se o açúcar e mexe-se bem. Em seguida juntam-se as gemas uma a uma, mexendo bem entre cada adição, e finalmente as claras. Bate-se tudo até o preparado ficar bem homogéneo.

Passado o tempo de repouso, estende-se a massa muito fina e corta-se aos quadrados. No centro de cada quadrado coloca-se uma colher do recheio preparado. Dobram-se as pontas da massa sobre o recheio, de modo a ficar visível o centro.

 

Coloca-se cada queijada sobre um quadrado de papel manteiga, que por sua vez se coloca sobre um tabuleiro. Levam-se as queijadas a cozer em forno bem quente. À saída do forno unta-se a massa com manteiga.

(*) receita de Romeu Severim




 


 QUEIJADAS DE SINTRA 

 

Ingredientes:  

Massa:250 g de farinha; agua e sal  

Recheio:400 g de queijo fresco sem sal; 350 g de açúcar ;1 colher de café de canela; 4 gemas de ovos;60 g de farinha; 

 

Preparação: 

Prepara-se a massa com 24 h de antecedência e deverá ficar bastante rija. 

Para evitar que a massa ganhe crosta, cobre-se durante o descanso com um guardanapo seco, sobre o qual se põe um pano molhado. 

No dia seguinte passa-se o queijo (que não deve ter sal) pelo "passe-vite" e mistura-se com o açúcar. Juntam-se as gemas, a farinha e a canela e bate-se tudo de modo a obter um preparado homogéneo. 

Estende-se a massa muito fina com o rolo e a ajuda de farinha. Com um copo ou um corta-massa corta-se a massa em círculos com 6 cm de diâmetro. Com uma tesoura dão-se 6 golpes nos bordos da massa de modo a facilitar o enconchar e formam-se com os círculos de massa forminhas pequenas (tipo queques, mas com o fundo abaulado). Recheiam-se com o preparado, colocam-se em tabuleiros e levam-se a cozer em forno muito quente (cerca de 400º) durante 8 a 10 minutos.

 

 

 

 

 

QUEIJADAS DE ÉVORA

 

Ingredientes: 

1 colher de (sopa) de farinha de trigo

6 queijos frescos pequenos de ovelha

14 gemas

500 grs de açúcar

60 grs de manteiga

 

Para a Massa: 

60 grs de manteiga

água q.b.

200 grs de farinha

 

Preparação: 

Primeiro a massa: Amasse a farinha com a água mais ou menos 1,5 dl e o sal até obter uma massa macia. Depois junta-se a manteiga e mistura-se sem amassar muito; (depois de adicionar a manteiga esta não deve ser mais amassada). Estenda a massa muito fina, se for preciso polvilhe a mesa com farinha e forre as formas untadas com manteiga e banha em parte iguais. 

Agora o recheio: Desfaça os queijos com um garfo ou passe com a varinha mágica. Ao queijo amassado junte as gemas, e os restantes ingredientes; bata muito bem. Encha as forminhas já forradas e coloque-as num tabuleiro, leve a forno quente mais ou menos 30 minutos verifique com um palito. Depois de prontas, retire, desenforme e vire-as sobre uma superfície lisa polvilhada com açúcar.

publicado por Maurício Barra às 16:24 | comentar | favorito
20
Jul 13
20
Jul 13

Costeletas de Borrego com Couscous e Legumes Refogados em Açafrão

 

 

Hoje deu-me para isto. Com o litoral oeste atlântico submerso nestas neblinas matinais que nos refrescam o Verão, o apetite conduz-nos ao desejo de comidas estivais, mas com alguma substância, não vá a neblina quedar-se e a lassidão “nel primo pomeriggio” ficar obliterada por insuficiência solar.

Este prato para mim é um clássico que repito amiudamente.

 

Ingredientes:

Costeletas de borrego

Limão

Molho Inglês

Mostarda ( opcional )

Farinha ( opcional )

Couscous

Óleo de Sésamo

Louro

Cenoura

Courgette

Cebolas mini

Pimento vermelho

Grão ( opcional )

Azeite

Piripiri seco

Açafrão

Sal

 

Confecção :

Descasque e corte a cenoura em triângulos. Lave e corte a courgette em triângulos. Descasque as cebolas. Corte os pimentos em quadrados. Coloque todos os legumes numa frigideira com tampa e deixe refogar lentamente em azeite temperado com piripiri seco e açafrão, de modo a que os legumes libertem os seus sucos gerando um molho, o qual não vai deixar que reduza demasiado. Prove e, sendo necessário, acerte o sal.

Ferva água com uma folha de louro e sal. Coloque o couscous num recipiente, tempere-o com sal e óleo de sésamo, cubra com a água fervida, mexendo lentamente para o couscous abrir, adicionando mais água se necessário ( este é o processo rápido ; se quiser seguir o procedimento dos nossos vizinhos do outro lado do Mediterrâneo, coza o couscous em vapor ).

Tempere as costeletas de borrego com sal, pimenta, molho inglês e mostarda ( opcional ). Passe-as por farinha  ( opcional ) e frite-as em azeite bem quente, de modo a que fiquem tostadas por fora e retenham os seus sucos no seu interior.

Sirva os três conjuntos em separado, para que cada comensal elabore no seu prato as ligações de sabor que preferir.

 

Desta vez acompanhei com uma sangria branca de Senhor da Adraga ( Caves Santa Maria, Colares ) com hortelã e maçã verde.

 

 

 

 

publicado por Maurício Barra às 13:27 | comentar | favorito
13
Jul 13
13
Jul 13

Açordas e Migas

 

 

 

 

Comecemos pelas Migas.

As migas são um assunto religioso, exigem devoção, não obrigação. Num país "pãozeiro" onde, de Norte a Sul, sem esquecer Madeira e Açores, o pão é alimento preponderante - e, diga-se, de excepcional qualidade média, qualidade que a tanto abrigou as grandes superfícies a reinventar padarias para  não perderem um grosso filão de consumo que despreza o pão industrial - em diversas e saborosas composições gastronómicas. Obviamente , quem tem mais sorte é quem escapa à ditadura dos contextos fortemente urbanos. Sorte que não é difícil obter considerando que, no que ao pão diz respeito, fica invertido a qualificação do termo que diz que o país "é Lisboa e o resto é paisagem". Aqui a "paisagem" é que manda.

Mas é no Alentejo que, ao pão, dão tratamento de rei. Nas sopas. Nos ensopados. E nas migas.

Conversando com alentejanos, a explicação que dão, para além da origem pobre e rural de parte de uma gastronomia que encontrou nos sabores singelos a substituição de condutos mais ricos, está a confecção do pão tradicional alentejano, de trigo, mais popular nos tamanhos de 1/2 e um kilo, feito com fermento "inteiro" que lhe proporciona um sabor , consistência e longevidade que não tem comparação com a rápida deterioração de outros tipos de pão. Havendo pão que dure, há que o aproveitar. E as migas são uma solução superlativa.

Hoje trago-vos duas receitas, que faço há muito tempo, que estão no coração do receituário alentejano. Em vez de vos apresentar as minhas variações, prefiro deixar-vos a receita autêntica, recolhida em pesquisa local efectuada no Alentejo.

 

 

MIGAS DE ESPARGOS

 

Ingredientes:

1 molho de espargos;

3 dentes de alho;

1 folha de louro;

3 ovos;

vinagre q.b.;

pimenta q.b.;

carne da calda fresca (carne de porco temperada com sal, alho e pimenta);

3 colheres (sopa) de banha de porco;

sal q.b.;

pão alentejano (de preferência duro).

Preparação: Cortar os espargos aos pedacinhos, pôr a cozer numa panela em água temperada com sal. Entretanto, num tacho, fritar a carne com a banha de porco. Depois de frita, retirar do tacho. Quando os espargos estiverem cozidos, escorrer e esmagá-los com a ajuda de um garfo. Deitar os espargos esmagados numa pequena tigela, juntar os ovos inteiros, os pedacinhos de carne frita, o vinagre e a pimenta. Rectifica-se o tempero com um pouco de sal (se necessário) e pimenta. Bater tudo junto. A seguir, desfazer o miolo do pão e cortar as côdeas em pedacinhos. Colocar novamente o tacho na chama e fritar, em banha de carne, os dentes de alho e a folha de louro. Juntar o pão e mexer com a ajuda de uma colher de pau. De seguida, juntar o preparado dos espargos, mexer com a colher, sempre sobre chama branda, até as migas ficarem secas. As migas de espargos devem ficar secas e soltas. Este prato serve-se quente ou frio acompanhado pela carne.

 

 

MIGAS GATAS

 

Ingredientes:

uma cabeça de alho,

uma posta de bacalhau,

pão alentejano (duro),

Sal q.b.,

azeite

Preparação: Coza a posta de bacalhau depois de previamente demolhada. Enquanto isso descasque o alho e pique-o, corte o pão em pequenas fatias, muito finas.Coloque o pão já cortado numa tigela grande ou numa terrina, desfie o bacalhau e coloque em cima do pão, assim como alho já picado, o sal (a gosto) e o azeite, despois regue tudo com a água do bacalhau ainda a ferver. Com a colher de pau, envolva tudo muito bem, para que o pão fique bem ensopado.

 

 

 

 

 

A partir d'aqui, o texto não é meu. Publicado no Rerum Natura ( quem diz que a ciência é ascética não conhece cinetistas ), faço questão dar a palavra a Galopim de Carvalho, o “pai dos dinossauros”, emérito professor de geologia, amador gastronómico com obra publicada, que sobre açordas e migas diz tudo.  E estas referências devemos respeitar.

 

«Terra de grandes barrigas

onde só há gente gorda.

Às sopas chamam açorda,

à açorda chamam-lhe migas.»

 

« Foi com estas coplas que, na revista «Palhas e Moínhas», o poeta alentejano João Vasconcelos e Sá, nos começos do século passado, cantou a diferença entre os usos destas palavras no Alentejo e fora dele; hoje mais conhecidas graças à bela interpretação do seu neto, o fadista António Pinto Basto. Estreada em Évora, em 1939, esta representação musical, em dois actos, tem por tema a mais extensa província de Portugal, as suas gentes e o seu modo de estar e viver naquela época. Entre os muitos participantes, todos recrutados entre a população da cidade, figurou o meu irmão Francisco José que, logo aí, revelou as suas excepcionais qualidades como intérprete da canção.

 

No seu livro, “Para uma História da Alimentação no Alentejo” (1997), o saudoso Alfredo Saramago revelou-nos que, durante o período de ocupação romana, se comia no Alentejo uma sopa feita de ervas aromáticas, alho, azeite, pão e água bem quente. Esta confecção atravessou as culturas dos povos invasores que se seguiram, tendo sido os árabes que a fixaram e lhe deram a importância que teve entre eles e ainda tem entre nós. A ath thurda (açorda) é, pois uma herança antiga, valorizada pela presença muçulmana neste Garb al Andaluz, entre os séculos VII a XIII.

 

As açordas do pobre não têm acompanhamento. São as açordas de mão no bolso (como já escrevi noutro local) comidas pelos mais carenciados que, não tendo conduto, só precisam da mão que leva a colher à boca. São as açordas peladas, não fazem mal nem bem, é só pão e água... caem nas calças e não põem nódoas, escreveu Falcato Alves, em “Os Comeres dos Ganhões” (1994).

Mas há também, para quem pode, açordas bem temperadas, feitas com a água de cozer bacalhau, pescada ou amêijoas, e com outros produtos de grande valor nutritivo e requintado paladar, com destaque para os ditos condutos e, ainda, o ovo cozido ou escalfado, as azeitonas e, até, nalgumas famílias, os figos frescos. Açordas são quase sempre as de alho e coentros ou de poejos.

À falta destas ervas há quem as faça com pimento verde esmigalhado no almofariz (no geral, de madeira), ou graal, como nós dizemos. Mas há outras, como as de tomate e muitas mais, a ponto de o termo ser considerado sinónimo de “sopas de pão”.

 

Para nós, alentejanos, o termo migas designa um alimento à base de pão migado, embebido num caldo e a seguir esmigalhado e amassado. Esta confecção é aquilo que, em Lisboa e noutras regiões do país, se chama açorda. As ”açordas de marisco”, as boas e as menos boas, que se servem de Norte a Sul do país, são, na realidade, migas, pois correspondem melhor à etimologia e ao significado da palavra.

Temos ainda as migas de batata, também elas esmigalhadas e amassadas. Assinale-se aqui, porque nunca é demais saber, que migas e mica, o mineral, radicam no mesmo étimo latino, mica, que significa migalha.

As migas da minha mãe, trazidas de casa da mãe dela, eram quase sempre feitas no pingo do toucinho ou da carne de porco com mais gordura e no dos enchidos.

Ao contrário do ditado que reza «migas de pão, duas voltas e já estão», as nossas velhas migas as que ainda hoje se fazem no Alentejo são enroladas na sertã, continuamente, até tostarem levemente e ganharem uma casquinha estaladiça. Prato tradicional e frequente na mesa de ricos e pobres, com a diferença de que as migas de uns tinham mais carne magra e linguiça, e as de outros, mais toucinho e farinheira.»

 

publicado por Maurício Barra às 07:23 | comentar | favorito
06
Jul 13
06
Jul 13

Gaspachos e Salmorejos

Como se diz nos Açores ; " o tempo está de ananases ". Este calor parado que bem merecemos após um Inverno prolongado que não nos deu uma Primavera, apela-nos a comidas ligeiras e, se possível, frias. Com dias acima dos 35 graus, diria que está tempo para sopas frias.

Gaspachos há muitos. Todo o sul da Ibéria, sobretudo Andaluzia, Algarve e Alentejo, o consome desde tempos imemoriais. Existem várias teorias sobre a sua origem, mas há uma que ultrapassa todas : é a junção de pão com água, a mais pobre forma de alimentação, à qual se foram adicionando temperos para lhe dar um sabor mais agradável.

Existem referências históricas, que a colocam como uma sopa de origem árabe composta de pão, azeite e alho ( que é também a base essencial de qualquer açorda alentejana ) à qual se adicionava água fresca no período do estio, mas também existem referências vários séculos anteriores,  do período romano, que registam a mesma composição à qual se adicionava vinho romano, que para os hábitos de hoje seria muito avinagrado ( os romanos consumiam-no com a adição de mel ).

As receitas que vos trago hoje são as que eu prefiro ( se quiserem Gazpacho Andaluz consultem o Google e recomendo que o consumam em copos de shot ). São a minha versão do Gaspacho Alentejano, o Salmorejo Andaluz e a Sopa de Pepino Fria que a esposa de amigo meu me deu e que, garanto-vos, é mesmo boa.

 

 

 

 

GASPACHO ALENTEJANO

 

Para mim é sobretudo uma sopa fria de tomate temperada à qual se adicionam no prato os ingredientes que cada um entenda por bem escolher, construindo cada um o sabor do "seu" gaspacho. A vantagem desta receita é que quase se constitui em prato principal de uma refeição.

 

Ingredientes

tomates maduros

cebola

alhos

pepinos

pimento vermelho, verde e amarelo

azeite

vinagre ( opcional )

pão alentejano ou croutons

carapaus pequenos

ovos cozidos

azeitonas pretas descaroçadas

presunto

maçã verde

limão

coentros

água fria

 

Preparação

Coloque todos os tomates cortados em oitavos, um ou dois pepinos descascados e sem grainhas, uns dentes de alho, as cebolas descascadas e cortadas em oitavos, uma pequena porção de pedaços de pimento vermelho e amarelo e dois fios azeite numa misturadora. Pique até ao ponto antes de ficar totalmente líquido.

Retire e adicione uma pequena porção de água fria.

Sirva em prato e coloque sobre a mesa, separados : ovos cozidos picados, pimento vermelho, amarelo e verde picados juntos em brunesa, azeitonas pretas, presunto cortado em dados pequenos, maça verde cortada em pequenos dados à qual se adicionou sumo de limão, coentros picados, pão alentejano cortado em quadrados de 1 cm, e, sobretudo, carapaus pequenos fritos passados por farinha em óleo com azeite.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SALMOREJO  CORDOBÊS

Esta tradicional receita andaluza  é servida habitualmente como entrada de refeição.

Tem uma composição e confecção muito simples.

 

Ingredientes:

pão

alhos

azeite

sal

tomates

 

Preparação:

Colocar na trituradora os tomates cortados e liquefazer . Coar.

Corte o pão em pequenos pedaços, juntar ao creme de tomate e deixar abeberar durante uns dez minutos.

Juntar os alhos descascados, azeite e sal e triturar tudo novamente.

Guardar no frigorífico. Servir com tiras de presunto fritas em azeite.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SOPA FRIA DE PEPINO

Esta receita foi dada por J. , esposa de uma amizade eterna.

Experimentei-a e só posso dizer bem.

 

Ingredientes:

Pepinos

Alhos

Azeite

Coentros

Iogurte grego natural sem açúcar

 

Preparação.

Descasque os pepinos,  retire-lhes as grainhas ( opcional ), corte-os em pedaços.

Descasque os alhos e pique os coentros  ( como é para liquefazer convém não terem hastes ). 

Junte tudo na liquificadora, adicionando o azeite. Triture  até ao ponto de creme.

Retire e, suavemente, emulsione o iogurte na mistura.

Sirva em prato ou copo de cocktail.

publicado por Maurício Barra às 12:32 | comentar | favorito