Mulled Wine, Glogg, Gluhwein e Eggnog

 

 

MULLED WINE, GLOGG, GLUHWEIN, EGGNOG
Os vinhos quentes de Natal são uma tradição pouco  . . . . .tradicional em Portugal. É pena, porque são saborosos e são, apropriadamente, natalícios, cumprindo a função de aperitivo, ( não servem para acompanhar uma refeição ).
Os "mulled Wines" tem uma longa história. Na época medieval, estes vinhos tinham o nome de de "Ypocras" ou "Hipocris", derivativos do nome de Hipócrates. Eram considerados bebidas saudáveis, o que talvez se deva ao facto de que então o vinho ser mais saudável do que a água disponível nos grandes aglomerados, mantendo as pessoas saudáveis através dos frios Invernos do Norte da Europa. 
No séc. XVI, nos livros de cozinha registam-se métodos de fazer mulled wine com "Clarrey" e "Bordeaux". Essas receitas involviam mel, canela, cardamomo e vinho francês. O "mulled wine" era uma das bebidas favoritas da Inglaterra Vitoriana ( inclusive, o Negus, um tipo de mulled wine, era servido às crianças nas suas festas de aniversário ), continuando hoje a ser servido em festas de família.
O Glogg é uma bebida tradicional na Escandinávia, sobretudo na Suécia e Finlândia, consumida da época do Advento de Cristo  ( as seis semanas que antecedem o nascimento de Jesus ). O Glogg é feito tradicionalmente com vinho tinto, servido em copos que têm no interior amêndoas e passas de uva. A origem do Glogg é o mulled wine, ou seja, vinho quente com especiarias. Um destes mulled wine, no séc. XIX, era muito popular na Europa, o Gluhwein, o qual começou por incorporar os ingredientes do Glogg ( amêndoas e passas ).
O Gloogg diferencia-se porque, tendencialmente, tem mais açucar e, sobretudo, mais alcool, com a adição de bebidas espirituosas, o que se aceita se considerarmos os frígidos Invernos escandinavos.
O Eggnog tem uma origem de conteúdos diferente. Esta bebida desenvolve-se a partir da mistura de leite com ovos, à qual se adicionava Sherry ou Brandy. Era servido nuns pequenos copos de madeira - os noggin - dando origem ao nome Eggnog.
No séc. XIX tornou-se uma bebida popular na Grã.Bretanha, especialmente no período de Natal : era um "punch" clássico que era servido às visitas que se recebiam no período natalício. Podia ser servido quente ou frio, tal como ainda hoje.
Hoje em dia estas receitas têm milhares de variações, cada família com a sua própria adaptação à receita original. Contudo, nestas bebidas quentes de Natal, tal como antigamente, só persistem duas grandes variações : as que envolvem vinho e as que envolvem leite e ovos.
Deixo-vos duas receitas : uma que recolhi, a do Eggnog, e outra minha, a minha variação do Glughwein.
 
EGGNOG
3 gemas de ovo

1/4 taça de açúcar
2 taças de leite
pitada de sal
1/2 taça de natas
2 colheres (sopa) de rum
pitada de noz-moscada
rum

 

Misture as gemas com o açúcar em uma tigela que possa ir ao banho-maria, acrescente a pitada de sal e o leite morno. Leve ao banho- maria e misturando sem parar cozinhe as gemas para que o creme engrosse levemente, deve cobria as costas de uma colher de pau. Retire do banho-maria e acrescente o rum, misture e leve à geladeira para esfriar completamente. Bata as natas em ponto de chantilly leve, acrescente à mistura de leite e misture delicadamente, coloque em taças e salpique com noz moscada.
 
 
GLUHWEIN
água
vinho tinto
laranjas
canela em pau
pimenta em grão
cravo da índia
açucar ( ? )
Numa panela, misture um pouco de água, algum açucar ( eu uso muito pouco ) e a canela em pau. Leve ao fogo para ferver, diminua o fogo e mantenha a água fervendo em fogo baixo.

Corte as laranjas ao meio e esprema sobre a água fervendo. Fure a casca da laranja com os cravos-da-índia e também coloque a laranja com o cravo na água em ebulição. Mantenha a panela no fogo até que a água esteja com a consistência de uma calda líquida.
Misture o vinho, aumente o fogo, mas não deixe o vinho ferver. Tire os cravos que estão na casca de laranja e sirva.

publicado por Maurício Barra às 17:51 | comentar | favorito
tags: